100 FOLEGO.

A paz sentida, a água que entrou nos pulmões.

A inanição no ser, o entendimento e a adoração resolvera?

O tempo dirá, surfando na onda, como deve de ser, para os que crê.

Investida somente a sua, verdade nua e crua.

Por que se somos um, e todos interligados, socializados, no menos?

Mas o amor esta ai gratuito no sentir, e caríssimo no se viver, não que o dinheiro não tenha seu peso, é que o equilíbrio esta quebrado, e a balança…balança…balança, sem limite.

A paz sentida, não faz sentido quando a dor assenta, sem sensatez, sem embriagues, operário da vida nunca mais um burgues, tudo de novo, no que é Velho.

Já conhecida socialização do zero, e depois dizem que o melhor é o que tem conteúdo, o que pega mesmo pelo visto é a filosofia do ferrado. Coisas vermelhas, no mostrar mas negras no viver, meu camarada…pelo menos tenho, a mentira, essa é como a poesia…concreta,  não rima, mas sim que oprime, não rime com crime,  é a vida.

abismo

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *