Confesso comunguei e tomei “Maça” Don em seguida.

Enquanto isso no interior a molecada…

Quase que sempre, tinha o costume de andar descalço em paralelepípedo, nas calçadas chão quente,

Terra na unha, pele amarelada, dedão esfolado, pés rachados,

Bicho no pé, pego no estrume na fazenda proteção inexiste,

Agulha de costura higienizada no fogo, aço quente, cutucando,

aquele olhinho negro, era sem duvida alguma o terrível “bicho de pé” (confesso que nunca vi um deitado),não se pode estourar, buraco ficando no lugar, pronto saiu, agora jogar um pouco de álcool ou passar mertiolate.

Hoje a coisa evolui bastante, um moleque no interior ou na capital, usa  Tênis sofisticadíssimos, amortecimento no solado, chip acoplado meia com amortecedor,

cadarço já não mais existe , o preço do salário de um trabalhador.

com poucos meses colocado de lado, para suprir com outro mais sofisticado. Nunca que imaginaríamos que poderia existir um tênis melhor que o conga ou kichute, ou uma botina melhor que aquela do couro amaciado, com elástico ao lado, com bastante pó da granado que fazia as bactérias aumentar consideravelmente, mas…era o que tínhamos.

No passado, meias alguns usavam somente o cano, buracos eram inevitáveis, se a meia fosse de cor marrom, não tendo a linha da cor usava-se a cor que tinha, afinal ninguém iria ver mesmo.

O conga com meia branca, entrava a poeira nós pés ficando a pele suja, necessitando aquela boa bucha natural, ainda um pouco verde, soltando sua babá com sementes em seu interior, esfregava-se bastante, o sabonete sendo marcado com as fibras da bucha, ia-se destruindo.

Na sola do pé, as vezes com um pequeno “estrepe”, ou espinho, ali inflamado incomodava, esparadrapos eram necessários para os calcanhares, se a botina era nova, sem lacear era um problema, quando não encontrávamos pregos na sola, que carcomia os calcanhares dos menos avisados, o barulho do ranger do couro alguns afirmavam que se a botina tivesse sido comprada fiado ou qualquer outro calçado fazia aquele barulhinho chato quando se andava.

As meninas com aqueles sapatos fechado também sofriam, vejo algumas com o band-aid saindo para fora.

No domingo pela manhã já era aquele sacrifício colocar aquele sapato social, com a meia costurada e rumar a igreja, andando com aquele barulhinho chato, o bicho de pé no solado ruim de se coçar e aquele sapato duro que nos obrigava a andar como se fosse um artista dos filmes de faroeste, com as pernas abertas, pisando de lado. Isso ele estando engraxado com um brilho fora de série, a nugget ainda se mostrava nas unhas das mãos, era difícil de sair, se usasse gasolina o cheiro ficava ainda pior.

Mas tudo pelo social, afinal de contas poderia se ver aquela menina que senta na terceira fileira do lado esquerdo, com a mãe, na hora de estar de joelhos com os olhos fechados, sempre sobrava um olhar por entre os dedos, ali já não lembrava tanto do sapato apertando e nem do bicho de pé a coçar, tudo seria resolvido com um simples olhar, quanto sacrifício por as vezes 10 segundos de flerte. com certeza se isso ocorresse seria diferente, te diriam não fez mais que a obrigação, e outra olhar somente para a semana próxima repetir novamente? Nunca se não tem wathsapp, é por fora, ou vai ou racha…não temos mais tempo, a próxima mensagem de texto esta chegando falando daquela dos estados unidos, com foto e tudo mais. Mistérios Gozosos.

Na hora de ir embora o sol já estava mais alto os pés já pegando fogo, esperávamos a saída da igreja, a moça se direcionava para o carro, com a família que de longe olhava, uma imensa alegria hoje ela passou e me cumprimentou só não gostei muito pois sorriu mais para o meu amigo, “semaninha” dura essa que vou ter, será que vale a pena todo esse sacrifício? Acho que vou voltar la dentro e ajoelhar e pedir para algum santo me ajudar, caraca…a Teresa já esta fechando a igreja.

Bom como não tem mais ninguém vendo vou tirar o sapato e levar nas mãos:

-Nossa como o chão esta quente, deixa ir pisando na sarjeta que queima menos. Só espero ninguém conhecido me ver assim..

-Ei Kaverão vai no jogo hoje a tarde…pronto descoberto.

O que tem de melhor no domingo alem da paquerada é a macarronada com massa de tomate cica, aquela “baciona”de saladas, temperada com óleo vegetal, vinagre, limão china, pimenta do reino e sal, sem contar as garrafas de Guaraná maça.

Um manjar dos Deuses, super gourmet..tudo isso com muito amor.

Só não vai comentar que esta com bicho de pé no horário do almoço já chega a suspeita de piolho da semana passada.

Sera que entrar duas vezes na fila para tomar hóstia e´pecado???

Por que ela gruda tanto no céu da boca? será que se gruda no céu da boca e´por que fomos escolhidos para ir para o céu? Bem vou agora dar uma golada daquelas na Maça…será que é pegado tomar MAÇA pós a HÓSTIA? Ai meu senhor me perdoe, amém…

 

Um comentário sobre “Confesso comunguei e tomei “Maça” Don em seguida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *