Crescer quando?

Parar ate´quando, quando será?
Incógnitas do pensar.
Se pensar desiste se desiste não pensa.
Sentir eis a questão, como sentir com tanta desilusão?
Como e por que se manter na paixão?
Se soubesse juro que diria, ainda mais hoje em dia, que sinto a sua companhia.
Ficar ausente a gente sente, como dói estar sem você.
Como termina a razão de ser.
Penso, preso presidiário sem visita intima e o pior, sem riscos na parede sem tempo e sem espaço.
Coração que se tem por escutar bater e me embriago, para esquecer ou morrer.
Fui novamente ressuscitado, como sou frágil.
Paremos Stop, bandeira branca.
Minha fruta preferida nectarina, orgasmo de sabor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *