Romeu de escafandro no mundo da lua.

Já mergulhou fundo e deixou seu corpo quieto, ficaram seus olhos abertos na profundeza com aquele silêncio? A sensação da água que mudando de temperatura te acolhe em um grande útero, levitas e as bolhas saem em busca da superfície você ali calado, riscos e mais riscos na trama formada pelos azulejos, os raios de sol que penetram naquele quadro são como agulhas multicoloridas perfurando a água que não oferece resistência.

A respiração é necessária e você ali sem oxigênio, começando a se incomodar,  sua face incomodada agora fica contraída, o que era relaxante passa a ser incomodo,  seu organismo necessita do ar, de respirar e você começa agora a puxar a água, e com os pés no fundo toma impulso que te levara ao alto como uma lança ou um foguete lançado em Cabo Canaveral, esse no sentido contrario ao seu da busca do oxigênio,  ele saindo da atmosfera para ficar sem o oxigênio. Para ele será melhor assim, sem gravidade, sem oxigênio.

Já se imaginou sair da piscina e continuar sem o ar, o oxigênio não mais existindo? Sufocado, agonizante, e não tendo ali o resgate, não tendo um mínimo balão de oxigênio?

Como gritar? como se manter calmo? como não se debater?

Alguns momentos na minha vida foram assim, em algumas relações, no dia a dia, na relação com a Deusa, com o Deus, com meu organismo, com a minha mente, com meus poros.

Relacionamentos amorosos onde você se encontra no fundo somente olhando os azulejos, vendo raios de sol la em cima, tranquilo ali, mas…uma hora tem que subir para buscar o oxigênio, relações que te tira do chão como um foguete pode te levar para fora da consciência para fora da atmosfera, se tornando hostil e ali ficara em órbita até o seu suprimento acabar, torcendo para entrar novamente na atmosfera, a volta é brutal com impacto terrível.

Melhor que ficar em órbita, ali girando vendo o mundo la de cima, sem poder partilhar, ou compartilhar sua visão de como é bonita a solidão e triste, mas uma hora você tem que voltar, um novo mergulho retornando as águas, caindo…

Ali a espera de socorro,

Um beijo pode salvar sua vida, o fôlego humano com o da Deusa, faz você recobrar os sentidos, sentido ainda mais se dado com amor, ai sim faz sentido.

Que pena que Romeu não era astronauta, e não mergulhou fundo como eu..que pena, ele tinha o amor, e lhe faltou oxigênio sufocado pelo veneno, eu ainda tenho o oxigênio, e te pergunto:

-Para que?

-seria mais importante o Amor? (se sentindo incomodado no escafandro)

-O veneno que Romeu tinha nos lábios veio de fora, o que eu tenho vêem de dentro, esta no coração, preciso ficar quieto aqui no fundo, pois senão acaba até o oxigênio.

10, 9, 8, 7, 6, 5, 4…..e o beijo ainda não aconteceu, Julieta atual é MAIS VIVA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *