Sim…com certeza a ordem dos fatores altera o produto.

Bandeira branca hasteada, passo por baixo das águas, das quartinhas, p ode ser de quarta ou sábado ou qualquer outra dia.

A minha esquerda peço permissão, duas portas de lata que tanto segredo esconde sempre o primeiro, a primeira vista não se entende nada, o por que de bater e não ser atendido?bate-se varias vezes e ninguém responde, imagine se respondesse a correria seria certa, uma vez fiquei esperto barulhos saiam de dentro mas era somente mais uma vez a gata que tinha ficado presa, afinal um campo fértil para os bichanos.

Estou dentro já se sabe, agora preciso continuar a abrir os caminhos seguindo a direita, terra alta ferro exposto, força, mas esta tudo azul na América do Sul caminhos abertos, conexões, passando para o verde e amarelo, a quanto tempo ali a frente, com todos os guardiões, ali desapercebidos , mas sempre a espreita, vejo um cão beber água, uma simbiose até o cão preto se sacia ali naquele pedaço marcado pela estrela, um pórtico ultrapassado, atuante novo sempre a frente, atual, nada de ultrapassado, no TEMPO.

Ali tudo plantado o inicio o que foi programado para ser a novidade a procriação o novo, uma nova era, um novo tempo um presente com vistas no passado.

Ali pedi a licença e comprei o poder retirar, de sacar maceração com cântico voltado para o norte, um lavar de alma, ali você esfregando suas mãos, muda-se a coloração do translucido liquido vai-se para o verde que limpa e restaura.

Nu eu vim, das entranhas da água, renasço, da água fria no lombo, da esquerda para a direita, com fé saudação e prontidão.

Cinjo-me agora não mais finjo e não fujo, de sujo para limpo eu sinto, o que todos sentem?

Seria a mente? ela mente? ela transforma, ali ninguém se conforma, todos da mesma forma, iguais e diferentes, as cores podem atestar.

Quanto a testa e a nuca, sempre se ligam, o que se tem na cabeça, na saliva,  no som, só para começar a descrever, vais sentir, vais mensurar.

Impossível para quem roda e vira, mensurar o rodopio o girar uma novidade uma casa onde todos moram, alguns de passagem outros para a eternidade, ache ou achem, ou procura …procura e não ache…ché.

Com fé, ou sem ela mas com eles, a cor a troca o alimento que me toca, ou melhor eu toco, somente se for homem se for mulher não pode tocar, mas toca de outra forma, todos ao seu lugar, uma hierarquia a conservar, uma família que pouco rima, que tem sina que te ensina e você quase não aprende ali sua frente se acende e você passa batido, pois precisas estar  comprometido, metido tem muitos, alguns a besta, outras a sapiência, alguns sem paciência, se não aceita fique na assistência, e somente assiste, aos que não persiste não pega.

Tem te tudo um pouco, de santo, de fingir de morto, de amor e de louco.

País, tem pais alguns até dois, nasceu com dois pais e duas mães, que loucura, alguns tem até três em vida, como se chama quando se tem três pais? Trigêmeos irmãos seriam do mesmo barco, agora três pais isso sim e´do balacobaco.

Três mães também tem, que coisa então não falta amor com tanto pai e mãe? eu YA, mas não vou falar pois acreditem sou filho da Casa, no Judaísmo tinha essa coisa de filho da casa de David, ou da tribo do Leão de Judá, gente eu sou filho da casa, filho de um velho, da mãe depois você me cobra, hehehe.. e também sou filho da mãe e do pai, seria eu a OVELHA NEGRA da família? E olha que sou vegetariano, por que senão daria o maior bode, e tem muita galinha também, mas eu não como nada disso, posso até oferecer, mas não é para o meu bico…

Sera que sou muito amado mesmo? pois disseram que colocam o meu nome da boca do sapo, coitado do sapo, hehehehe.

Vocês entenderam alguma coisa? Não?

Que bom…é  para sentir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *