Tabua das marés.

Amar para nadar, a sal nas lágrimas.

Amar que nada a alma já esta cansada.

Ao mar foram lançadas as lágrimas.

Amar  como ama o mar, com lágrimas.

Todo mar é de lágrimas.

Já o amar é doce, e o mar salgado.

Amar o Mar mesmo assim ele salgado.

Amar com  docilidade o mar.

A maré vai e vem, amar é não ir.

Amar é ficar, não importando a maré.

Amar é, sentir o gosto do sal na pele.

Amar é ser o doce da água do rio no mar.

Não importa o mar, se a maré esta baixa,

o rio não desiste dele, com sua água doce,

Continua a desaguar com seu leito,

Tentando quem sabe adoçar, mas independente do mar

Amo a ti, em qualquer maré, pois amar é…..

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *